12 de jan de 2012

Era uma vez: As crônicas de Gelo e Fogo – Guerra dos Tronos

Posted by Thaís Colacino On 19:05 0 comentários

“Ou você ganha, ou você morre na Guerra dos Tronos”. Quando George R. R. Martin colocou essa frase na boca de um personagem, ele não estava brincando. O livro, primeiro de uma série que terá sete, conta a história de um mundo medieval, onde sete reinos formam Westeros, que tem diversas famílias senhoriais, cada uma tomando conta de uma parte do reino. No Norte encontram-se os Starks, família de oito pessoas (mais seis lobos gigantes) que está no centro dos acontecimentos (pelo menos no começo) que vão iniciar a chamada Guerra, ou jogo.

No começo, o patriarca da família, Eddard Stark, é chamado (mais para intimado) pelo rei a ser sua Mão, ou seja, algo como primeiro-ministro. Eddard – ou Ned, seu apelido – recusa, mas após sua cunhada (Lysa), irmã de sua esposa (Catelyn) acusar a Casa Lannister de assassinato de seu marido, o Mão anterior, Stark se vê obrigado a ir a capital do reino e descobrir a verdade.
Robb e Bran Stark com seus lobos gigantes recém nascidos e por isso pequenos (não são lindos?)

O jogo em si é puramente político, com intrigas, indiretas, boatos e assassinatos encobertos, que os Senhores utilizam no jogo de sombras pelo Trono de Ferro, cadeira forjada com diversas espadas dos derrotados.

Tyrion: fluente em sarcasmo
No primeiro livro, Martin opta por não utilizar nenhum fator mágico, e quando eles existem, são tratados com descrença pelos que habitam o reino. O leitor sabe bem que há uma ameaça, já contada no prólogo, de algo incrivelmente não natural. Nas terras livres, como são chamadas as terras longe do reino, a história é outra, mas não muito explorada nesse primeiro livro.

A bela Daenerys
Os capítulos são divididos em perspectivas dos diferentes personagens, e não são poucos. Quase todos os Stark têm um para si, mas há também os de Tyrion Lannister, o anão anti-herói que é provavelmente um dos personagens mais carismáticos e adorados da série, e Daenerys Targaryen, a Dany, uma princesa, filha do rei anterior e última de sua Casa (porque se ela voltar para Westeros, morre!), outra das personagens favoritas dos leitores e que tem um amadurecimento incrível no livro. Como são na visão do personagem, há um grande desenvolvimento de cada um, o que torna as mortes mais difíceis, pois não são poucas. Martin não se preocupa em matar personagens principais e muito amados. Se for necessário para a trama, se é necessário para o jogo, eles são ceifados.

Martin - O sádico autor
O cenário criado é extremamente rico e variado em detalhes. Martin cria diversas casas senhorais, com seus vassalos, e cada parte do reino tem uma paisagem, um lema, uma vestimenta, uma etnia. E ele descreve todas, e ao longo do livro o leitor já sabe de cor o gigantesco mapa e peculiaridades de cada local.

A história, acompanhando todos esses detalhes, é enorme, como se pode ver por cada livro, um maior que o outro. A trama tem raízes no passado, que Martin mistura ao presente nas recordações dos personagens, enriquecendo-os e desvendando aos poucos cada nova informação e trazendo os detalhes quando é conveniente.

Com personagens que os leitores amam e outros que eles amam odiar, Martin começa bem a saga, transportada com perfeição à série da HBO. Mas se você não aguenta esperar anos para saber quem triunfa no jogo, é melhor começar a ler. Mas, uma vez começado, é impossível parar.

Eddard Stark no Trono de Ferro

0 comentários:

Postar um comentário